Estudos do IBGE apontam que até a metade do ano de 2050, o número de brasileiros com mais de 60 anos atingirá a impressionante marca de 66,5 milhões, o que corresponde a quase 30% da população. Assim, é preciso ter em mente o que fazer para ter uma terceira idade saudável, às vezes até melhor que a fase adulta. E para isso, são necessários alguns componentes fundamentais: acompanhamento médico e nutricional, alimentação equilibrada, atividade física e participação efetiva da família.

O acompanhamento médico é necessário para manter sob controle as possíveis doenças que são inerentes à idade, entre elas a obesidade, dislipidemias e pressão alta. Isso se deve, em parte, à associação entre fatores como a aposentadoria, sedentarismo e ansiedade. Outro ponto importante é que, por conta da degeneração natural do organismo, é difícil o idoso que não apresente nenhum problema de saúde, mesmo levando uma vida regrada.

Terceira Idade: assim como o médico, consulte sempre um nutricionista

Os avanços da idade e a degeneração natural do organismo podem levar a algumas deficiências nutricionais. E uma visita ao nutricionista é fundamental para verificar as condições nutricionais do organismo.
Mediante os resultados dos exames solicitados pelo profissional, será possível verificar quais as reais deficiências de macro e micronutrientes e a correção poderá ser feita por meio de reeducação alimentar e, se necessário, suplementação. Cálcio, vitamina D e reposição da flora intestinal são alguns dos problemas mais comuns nesta fase.

Outra questão para a qual se deve ter atenção é a perda da palatividade, em que as papilas gustativas da língua perdem a capacidade de detectar os sabores, principalmente o salgado e o doce. No primeiro caso, é muito comum que a comida preparada pelo idoso seja mais salgada e isso pode levar à hipertensão. Já em relação ao doce, ocorre o aumento da ingestão deste.

Terceira Idade: sociabilidade, convivência familiar e paciência são fundamentais

Conviver com pessoas da sua idade, com mais jovens e com membros da família é fundamental para manter a mente ativa. É muito comum que os familiares isolem seus idosos e os privem do convívio familiar, mesmo que inconscientemente.

Muitos tomam estas atitudes por conta de mudanças comuns no comportamento, sobretudo no que se refere à teimosia e, em muitos casos, demência. No entanto, a solidão abre portas para doenças graves e silenciosas como a depressão. Em quaisquer um dos casos, a chave está na paciência, na empatia e compreensão em relação aos desafios inerentes a esta fase da vida. A chegada da terceira acontecerá com todo mundo e, para que esta fase seja vivida de forma plena, cuidados nunca são demais.