Nem todo mundo conhece o termo, mas sarcopenia nada mais é do que a perda da massa muscular, condição comum entre os idosos. A perda da massa muscular começa a partir dos 40 anos e se não estivermos atentos podemos enfrentar vários problemas – já que a carência de massa magra na terceira idade causa diminuição de força e queda do desempenho físico, prejudicando assim a independência do idoso.

Alguns fatores contribuem com a situação. Entre os principais está o envelhecimento das células, que inevitavelmente ocorre com o passar dos anos. Com isso, elas passam a absorver menos nutrientes, o que causa maior deficiência ao corpo.

Somado a isso está o fato de que com o tempo o idoso passa a ter mais dificuldade de mastigação. Começa, portanto, a comer menos e a evitar alimentos que dificultem esse processo, como as carnes (fontes de proteína que ajudam na formação dos músculos). A diminuição da ingestão de alimentos também pode estar associada à perda de paladar e olfato – mais comum em pessoas da terceira idade –, uso de medicamentos e até depressão. Tudo isso pode desencadear a desnutrição da pessoa idosa.

Por fim, muitos idosos passam a ficar mais tempo em casa – seja por falta de socialização com a família ou por alguma dificuldade de locomoção. Desse modo não são expostos frequentemente ao sol, o que causa falta de vitamina D, essencial para ajudar na absorção de cálcio pelos ossos.

Idoso pode não perceber perda da massa muscular

O diagnóstico da sarcopenia não está associado à perda de peso corporal total, já que a massa magra pode ser substituída, em alguns casos, por gordura – fazendo com que não haja uma alteração do peso da pessoa. São necessários exames específicos, portanto, para detectar o problema.

Em pessoas saudáveis, a diminuição da massa magra geralmente inicia-se após os 30 anos de idade, com perdas em torno de 1% a 2% ao ano. Sem medidas preventivas, idosos com 80 anos de idade podem ter somente 50% da massa muscular da juventude.

Para evitar a sarcopenia o ideal é fazer um acompanhamento antes de chegar na terceira idade. Assim, é possível evitar perdas que, depois de adquiridas, são irreversíveis – caso da osteoporose. Quando o dano já existe, é possível apenas minimizar o problema. Daí a importância de cada pessoa manter, ao longo da vida, os estoques corretos de vitaminas e nutrientes para evitar patologias futuras. Como cada vez mais pessoas estão descobrindo, uma alimentação balanceada, somada à prática de exercícios físicos, é a principal medida para uma terceira idade saudável e com qualidade de vida.

Até o próximo post!