Vamos combinar que não é todo mundo que gosta de comer um pãozinho ou uma bolacha de água e sal, secos, sem passar nada, né? E opções é que o não faltam nas prateleiras dos supermercados e vão desde o requeijão, queijos cremosos, passando pelo mel, geleia e cremes de avelã e amendoim. Contudo, à parte, especialmente na área dos laticínios, há um embate velado entre manteiga versus margarina para saber qual a mais saudável e mais recomendada pelos médicos e nutricionistas.

É bem certo que em termos midiáticos, a margarina já sai na frente e até foi cunhado um termo utilizando seu nome: “família de comercial de margarina”, em que são usados atores bonitos e felizes, com hábitos aparentemente saudáveis reunidos em torno de uma mesa de café da manhã e, claro, consumindo margarina. Espertos, os fabricantes afirmam que o produto – ao contrário da manteiga, que é rica em gordura saturada e colesterol é mais “saudável”. No entanto, aí se esconde uma armadilha porque a margarina é rica em um tipo de gordura denominado trans, tão prejudicial à saúde quanto a saturada.

Como são fabricadas a manteiga e a margarina?– A manteiga nada mais é do que a nata do leite batida. O primeiro estágio deste processo é o creme de leite, sim, aquele que se coloca no estrogonofe. Se continuarmos o processo, este creme vira a manteiga, rica em gordura saturada e colesterol, como todo produto de origem animal.

A margarina, por sua vez, é produzida artificialmente por meio de processos que injetam hidrogênio em óleos de origem vegetal. Desta forma, de líquido este óleo adquire uma consistência mais sólida. No entanto, este processo de fabricação dá origem às mal faladas gorduras trans, que reduzem o bom colesterol (HDL) e aumentam o mal colesterol (LDL), podendo causar problemas cardiovasculares quando consumido em excesso.

De uns tempos para cá, os fabricantes, ao perceberem que as gorduras trans estão diretamente ligadas ao aumento da incidência de doenças cardiovasculares, passaram a lançar margarinas “livres de gorduras trans”. No entanto, estas margarinas contém um outro óleo modificado quimicamente. Além disso, após o processo de hidrogenação, são acrescentados aditivos químicos responsáveis por mudar a cor, conferir sabor e aroma, e melhorar ainda mais a consistência. Há fabricantes que acrescentam azeite de oliva, vitaminas e até manteiga para tentar dar ao produto um ar mais saudável. Mas, a verdade é uma só: a margarina é algo artificial.

Afinal, qual é a mais saudável: margarina ou manteiga? – A resposta é: nenhuma das duas leva vantagem em relação à outra. Ambas apresentam prós e contras para a saúde, se consumidas em excesso. A margarina se beneficia do fato de ser menos calórica e não contar com gorduras saturadas e há algumas até que possuem aditivos como fitoesteróis que auxiliam na diminuição do mal colesterol. Além disso, há opções de margarina light. Por sua vez, a manteiga possui vitaminas e sua gordura é mais facilmente digerível pelo organismo do que a da margarina.

Mas, entre uma e outra, fica o alerta: nada de exageros! Além disso, para quem está com os índices normais, a recomendação tanto de uma quanto de outra é de duas pontas de faca ao dia. Ou seja, uma raspadinha no produto e sua aplicação no pão ou na bolacha.

Como sempre, a chave da boa saúde é a moderação. Uma alimentação equilibrada e exercícios físicos nunca saem de moda e lembre-se sempre de consultar seu médico e seu nutricionista de confiança.