Infelizmente, o isolamento social é uma realidade bastante comum enfrentada pelos idosos. Sem contato frequente com os parentes, os idosos veem minadas suas relações interpessoais mais íntimas, o que lhes causa um grande impacto emocional. Por isso quero falar da importância do convívio familiar para os idosos. Se sentir amado e protegido é um dos fatores que ajudam a diminuir doenças como a depressão que, devido ao sentimento de solidão, atinge muitas pessoas na terceira idade. O convívio com os netos, por exemplo, é revitalizante, pois mantém os idosos ativos e melhoram a sua qualidade de vida. O carinho e a proteção dos avós, por sua vez, é fundamental para o desenvolvimento da criança, fazendo com que o relacionamento entre avós e netos seja benéfico para ambos.

De acordo com a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, além de fatores ambientais, inerentes ao envelhecimento, a depressão em idosos pode se manifestar a partir de uma série de problemas relacionados à terceira idade, como o afastamento da família, a perda do papel social com a aposentadoria, falecimento do cônjuge e solidão. Limitações físicas e fatores clínicos como AVC, infarto e doenças cardiovasculares também podem contribuir para o desenvolvimento de um quadro de depressão. A Associação destaca ainda: “Além da qualidade de vida, a doença pode também interferir em aspectos físicos à medida que leva o indivíduo a uma menor disponibilidade para colocar em prática medidas essenciais para a manutenção de uma boa qualidade de vida e para controle de outros problemas de saúde, tais como manter uma dieta saudável e praticar exercícios físicos regularmente.”

Já em artigo publicado no site da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, a Dra. Ana Lúcia de Sousa Vilela afirma: “Se a depressão não for tratada, poderá haver uma piora funcional do idoso, como a diminuição de sua capacidade e independência, piora da memória, má qualidade de vida e até suicídio.” Por isso, entre as formas de melhorar ou prevenir a depressão, ela orienta que o idoso evite o isolamento social. Se não for possível contar com a presença da família, ele deve procurar uma rede social adequada ao seu perfil de personalidade.

Além disso, ela orienta os idosos a:

  • Realizar exercícios físicos, pois ajuda a combater a depressão e alguns sintomas como a insônia.
  • Praticar atividades que estimulem a intelectualidade, como aprender a utilizar o computador e aprender novas línguas.
  • Procurar se sentir útil, seja em casa ou em outros lugares (como hospitais e orfanatos).

Nem sempre a família ou o próprio idoso se dá conta que está deprimido. Por isso, é importante ficar atento a sinais como alterações no apetite e no sono, irritabilidade, ansiedade, perda de interesse e dificuldade de concentração.

Até o próximo post!